Mais um outro de machismo

O título é esse porque já tenho um texto chamado “Mais um de machismo”. Já que me estresso constantemente com essa palhaçada, tenho vários textos sobre o assunto e tudo o que está relacionado a ele. Com toda essa campanha contra estupro, depois da pesquisa que saiu, não podia ser diferente. Aqui estou eu, escrevendo mais um outro de machismo. Hoje de manhã, ao entrar no Facebook, já me estressei com uma imagem:

0

Queria dizer que há uma diferença tremendamente grande entre moda e campanha. Gostaria de saber desde quando lutar pelos direitos (mais básicos) da mulher é uma modinha. Por favor, né! Se uma CAMPANHA dessas existe, é porque, infelizmente, tem um motivo. E que bom que várias mulheres (e homens) estão participando dela, postando fotos dizendo algo extremamente simples, óbvio e básico: Ninguém merece ser estuprada. Também queria dizer que, se alguma mulher diz que homens bonitos podem estuprá-la, essa mulher tem sérios problemas psicológicos e sexuais. Não interessa se é bonito ou feio: se forçou, já não pode. Até porque, se você quer que alguém te estupre, é porque você quer transar com essa pessoa. Essa frase é burra e não faz sentido. Ninguém quer fazer nada a força. Ninguém quer comer o que não gosta. Ninguém quer estudar o que detesta. Ninguém quer transar com quem não sente vontade. Simples assim. Não entendo a dificuldade de certas pessoas de entenderem isso.

Mulher nenhuma facilita estupro. Se há mulheres que gostam de fazer sexo com várias pessoas diferentes por dia e ao mesmo tempo, isso é um direito delas. Mas como já falei, no momento em que alguém é forçada, não é mais direito nenhum de ninguém. O fato de uma mulher usar fio dental na praia não quer dizer que ela quer se mostrar para os homens. Já parou pra pensar que ela pode estar com a autoestima lá em cima e acha a bunda dela linda? Se uma mulher anda de shortinho enfiado no bumbum, isso não quer dizer que ela está dando a entender nada. Se você acha isso vulgar, ok. Mas em hipótese nenhuma isso é motivo para achar que ela quer ser abusada. Muitas vezes, a mulher se veste para ela e não para quem vai cruzar com ela na rua.

Roupa não faz diferença. Quando estou de calça jeans, homens mexem comigo. Quando estou de vestido longo, homens mexem comigo. Quando estou de saída de praia, homens mexem comigo. Quando estou saindo da ioga, homens mexem comigo. Quando estou de moletom, homens mexem comigo. Se eu me vestir de homem, homens vão mexer comigo. Não importa o que estou vestindo, vou atrair olhares indesejados de homens na rua, que não tem o menor respeito para com as mulheres. São os homens que acham que a gente gosta de ficar ouvindo “psiu”, “fiufiu”, “gostosa”, ou, como já aconteceu comigo “se tu fosse minha namorada, não saía da cama nunca”. Alguém acha que me senti bem ouvindo isso? Eu quase chorei de raiva. A minha vontade era de voar em cima do cara e dar um chute certeiro nele. Mas não disse nada. Tive medo.

Medo. É assim que a gente anda na rua. A gente tem medo de reagir quando mexem com a gente. A gente tem medo de sentar do lado de homens no ônibus. Eu tenho medo de pedir para um homem sair do vagão feminino no metrô. Tenho medo de receber entrega quando estou sozinha em casa. Tenho medo de discutir com taxista machista. Minha mãe tem medo que eu pegue ônibus de short curto, porque vou chamar atenção. Olha isso! Eu tenho que ter MEDO de sair de short porque os homens vão me respeitar menos. E o pior disso tudo: vão mesmo. Eu já troquei minha roupa porque me senti insegura. Já estiquei a saia porque o cara do meu lado tava olhando. Já troquei de lugar porque o cara me perguntou as horas enquanto olhava para minha coxa. Um dos meus maiores medos é ser estuprada e isso não ta certo. As meninas e mulheres não têm que andar na rua com medo de serem tocadas e chamadas por quem não querem. Por pessoas sem respeito, educação e noção. Por tarados, pervertidos e doentes. Nesse texto, citei algumas situações pelas quais passei e afirmo que muitas e muitas mulheres passam por isso diariamente. Até hoje, não conheci nenhuma que goste.

Desejo, do fundo do meu coração, que essa palhaçada de jogar a culpa da mulher acabe. Que na próxima pesquisa, esse bando de incompetentes e ignorantes respondam que, EM NENHUMA HIPÓTESE, a vítima tem culpa. De nada! Ninguém pede pra ser assaltada por falar no celular, assim como ninguém pede pra ser estuprada quando usa roupa curta. Ou biquíni. Ou calcinha. Ou cueca. Ou burca. Ou pano. Ou véu. Ou manta. Ou qualquer coisa. A culpa não é nossa. E vivam os feministas e as feministas que apoiam as mulheres na luta por nossos direitos, em pleno ano de 2014. De burca ou roupa rasgada, ninguém merece ser estuprada.

(Escrito na segunda-feira, 31 de março)

Anúncios

Um comentário sobre “Mais um outro de machismo

  1. Pensa como eu. Incrível! Falou tudo exatamente como eu falaria!
    Falou por mim e por muitas mulheres que sofrem no seu dia a dia esse tipo de abuso.
    Não vejo a hora, o dia que isso tenha fim. Já está passando da hora disso mudar. Já chega dessa era machista! Desses resquícios patriarcais que não fazem mais sentido algum. Na verdade nunca fez!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s