Mudando o País.

Infelizmente, eu não fui aos protestos que tiveram na semana passada. Na segunda-feira, após dar aula em um pré-vestibular, fui encontrar com meu pai para jantar. Marcamos uma hora, mas ele me disse que chegaria depois, porque não estava conseguindo pegar o metrô. Quando nos encontramos, ele me explicou que havia uma multidão perto do metrô da Uruguaiana, que é o que ele pega para voltar do trabalho. Ele me disse que passou no meio das pessoas e que só via fumaça de gás lacrimogêneo – inclusive ela o atingiu e deixou seu olho ardendo – ouvia barulhos de bombas de efeito moral e via também pessoas sendo agredidas e presas. Eu disse a ele “e eu pensei em ir, pai…”. Ele me respondeu, com uma expressão assustada, “imagina!”.

 

Meu pai tem mais de sessenta anos e, na época da Ditadura, era de esquerda, ou seja, lutava por um país melhor. Hoje, em plena democracia, ele se assustou e teve medo da filha dele estar em meio a um protesto pela justiça nos preços dos ônibus. Estou falando isso porque a época da Ditadura foi conturbada e violenta, em termos políticos. Hoje, vivemos numa democracia em que temos de ter medo ao pedir pacificamente por melhores preços. Quinta-feira, não fui à manifestação. Até porque, além do medo da violência exercida por uma minoria imbecil de manifestantes (isso inclui pichações em patrimônios culturais) e pelos policiais, fico nervosa em locais com muitas pessoas. Ou seja, eu não conseguiria correr, se precisasse; não seria uma boa ideia.

 

Hoje, eu queria ir, mas não posso. No horário do protesto estarei dando aula e eu não deixo meus alunos na mão. Dou aula para um pré-vestibular comunitário, ajudando a levar cultura e conhecimento a pessoas que não tiveram as mesmas oportunidades de educação que eu tive. Espero que eu esteja conseguindo. Fiquei bastante satisfeita com os resultados no ano passado – não me refiro às notas, me refiro à gratificação de alguns por poderem ter essas aulas. Estou também satisfeita esse ano. O que vejo é um grupo de jovens e adultos que querem passar no vestibular e estudar; eles participam, me ajudam, me corrigem, me ensinam. O ensinamento nas aulas é recíproco, nós nos ajudamos. Falei isso tudo para dizer que eu queria, sim, ir às ruas hoje para ajudar a mudar o país, mas estarei tentando mudá-lo de outra forma. No horário em que amigos meus, até alunos meus, e outras pessoas estarão protestando pela justiça, eu estarei tentando mudar a educação injusta desse país, fazendo o que posso para isso.

Escrito dia 17/06, segunda-feira.

Image

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s