TSUNAMI OU MAROLINHA?


Por Fábio de Oliveira

Prof de Geometria do Pecep

 

Em outro post (aqui) falava sobre a tentativa de reformar nosso Ensino Médio (EM), que resiste – tanto nas escolas públicas quanto nas particulares – às tentativas de dar-lhe um sentido prático, para além dos 3 anos de preparatório para a Universidade. Estas tentativas infrutíferas de reforma já duram mais de 15 (quinze!) anos, certamente por uma tendência bem brasileira de não balançar o barco, mesmo quando ele afunda a olhos vistos. A resistência dos sindicatos e a omissão dos políticos somadas à ausência de pressão popular mantêm tudo confortavelmente parado.

E aí, senta e chora? A resposta encontrada pelo Mec, talvez sem querer, foi a liberal: medir os resultados, torná-los públicos e deixar para os cidadãos a tarefa de demandar (ou não) mudanças. Ferrou, né? Mas desta vez talvez não! O fato novo é que o Enem, aquele exame nascido em 1998 para medir os resultados do EM, evoluiu para ser também a principal porta de entrada para o ensino superior, requisito das bolsas do ProUni e das ações afirmativas. Enormes contingentes até então conformados em parar de estudar cedo, voltaram a ter esperança de completar a universidade e melhorar de vida.

Quer provas? Vamos aos números (aliás, no EM reformado os números servem justamente para isso: enxergar melhor o mundo). Para começar, as vagas: no Sisu foram, em 2013, 129.279 para o primeiro semestre e cerca de 40 mil para o segundo; já pelo ProUni foram cerca de 200.000, sendo metade de bolsas integrais. E o melhor é que as vagas vêm crescendo ano a ano, basicamente pelo aumento da oferta nas universidades federais e, na rede particular, pelas bolsas dadas em contrapartida à renúncia tributária (discutível, é uma renúncia que favorece aos maiores pagadores de impostos, o que não é ainda verdade para as UFRJs da vida, que via de regra susidiam aos mais ricos).

Entretanto, o principal vetor de mudança é o que decorre desta oferta de vagas: a enorme resposta da população, evidenciada pelo número de inscrições para o Enem. Estes inscritos é que, talvez, possam provocar o fim da letargia das secretarias de educação e das escolas. 

Podemos avaliar a enorme penetração do exame na sociedade confrontando os mais de 6 milhões de inscritos no Enem em 2012 com os 10.758.269 de alunos matriculados nos três anos de ensino médio (INEP, 2012) – incluindo suas três modalidades: regular, profissionalizante e EJA. Então, além dos concluintes do EM há também os que buscam certificação, e outros que já concluíram o EM ajudando a explicar esta enorme procura.

Em 2013, ao contrário das previsões, o exame atingiu um novo recorde de inscrições, chegando a 7.834.024 de pessoas. Ou seja: a demanda por ensino no novo enfoque do Enem e dos PCN já está garantida.  Note na tabela a seguir a escalada dos inscritos no Enem ano a ano. Com este contingente crescente, é de se prever que alunos e pais da rede pública gerem uma enorme demanda por treinamento para a prova.

Evolução das inscrições para o Enem:

Ano Nº inscritos
2013 7.834.024
2012 6.497.466
2011 6.221.697
2010 4.611.441
2009 4.576.126
2008 4.018.070
2007 3.568.592
2006 3.742.827
2005 3.004.491
2004 1.552.316
2003 1.882.393
2002 1.829.170
2001 1.624.131
2000 390.180
1999 346.953
1998 157.221

 

O ministro chamou este crescimento vertiginoso de tsunami pela educação, mas  há várias críticas ao modelo, principalmente rejeitando sua ideologia, reflexo de uma sociedade competitiva e liberal. E realmente a competição aumenta, mas inevitavelmente aumenta também a pressão sobre os governantes por educação de qualidade. Se realmente será um tsunami ou apenas mais marolinha ainda veremos.

Já dá para apostar que o processo desencadeado pelo Enem, primeiramente de avaliação do Ensino Médio e, ao longo dos anos, acumulando as funções de certificação e de principal forma de acesso ao Ensino Superior tem provavelmente mais virtudes que defeitos. É uma realidade que a secretaria de educação do estado não pode mais ignorar.  

Image

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s